Remar pra frente

0
107

GVM NOV21

Vocês já sabem que não gosto de olhar pra trás. Mesmo porque sempre tropeço nos queridos amigos que se foram, ou simplesmente desapareceram, o que não é agradável. Mas diante das dificuldades dos dias de hoje, crise econômica e política, pandemia e violência, é inevitável restaurar a máxima; Eu era feliz e não sabia. Claro que é um reflexo da situação vivida, logo recupero a consciência e começo a pensar um caminho.

O sinal importante é o fato de não ter morrido ninguém de covid nessas últimas vinte e quatro horas em São Paulo. Parece incrível que tenhamos chegado a essa marca. Vislumbramos, enfim, uma luz no fim do túnel. E isso é possível constatar porque vemos os amigos se visitando. Os bares aumentando sua frequência. As mesas de dominó rolando. Me chama a atenção o dr. Celta: “Ninguém tem grana”. É verdade, digo. Mas o ânimo da turma gerado pelos reencontros será capaz de enfrentar o problema econômico-político com mais força.

O calendário também ajuda. Estamos chegando as festas de fim de ano. O bom velhinho inspira as confraternizações até de quem o odeia, como é o caso de Dudu Brandão, que sequer entra em loja que mantenha sua foto na vitrine. Porém esse é um caso excepcional. O geral é que todos queremos remar pra frente. Derrotando esse imenso buraco que nos meteram.

José Luiz de França Penna, Presidente de honras do Centro Cultural Vila Madalena

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA