A moda consciente da Casa 54

0
693

Foto: Gerson Azevedo

Gerson Azevedo
Casa 54 tem variedade e preços acessíveis

GVM 294

Brechós se tornaram uma boa opção para quem quer gastar pouco e ficar na moda. O Brechó & Costura Casa 54 é um ótimo exemplo dessa evolução.

A criadora do Casa 54 é a publicitária Fabiana Zanardi. “Depois de trabalhar anos na área de publicidade decidi que era hora de buscar um espaço próprio e sempre gostei de me vestir bem. Tudo começou quando assumi o brechó que minha irmã tinha no litoral. Montei um acervo e vendia em diversos locais, eu chamava de Brechó de Pernas. Exigia uma logística rápida”, explica.

Fabiana e Jucilene, parceiras na Casa 54 (Foto/Gerson Azevedo)
Fabiana e Jucilene, parceiras na Casa 54 (Foto/Gerson Azevedo)
Mais tarde, decidiu, com ajuda de uma irmã, alugar um espaço fixo. Precisava ser uma garagem e perto do metrô. “Foi quando cheguei à rua Marinho Falcão, ao lado do metrô Vila Madalena”. Com o sucesso, buscou mais espaço e “coisa de destino”, como afirma Fabiana, “consegui este sobrado que estava em boas condições e em pouco tempo, surgiu o Casa 54, em julho de 2019, em um espaço bonito, organizado e agradável”.

Conhecedora do gosto das clientes, Fabiana notou que muitas pediam e precisavam ajustar ou customizar algumas peças que vendia no brechó. “Já conhecia a Jucilene, ótima costureira e que sabe o é preciso fazer, a convidei para trabalhar comigo no brechó. Sou dona do brechó e somos sócias no ateliê de costura. Foi um ‘casamento’ perfeito!”, resume a empresária. E lembra que o ateliê de costura está aberto para qualquer cliente que queira trazer as roupas para ajustar, fazer barra ou customizar.

A pandemia afetou o brechó. “Ficamos meses fechados e então criei as sacolas com roupas que deixava na casa das clientes para que elas escolhessem as peças com tranquilidade e segurança”. O resultado compensou e lhe trouxe novas clientes “que indicavam o Casa 54 para outras pessoas”.

Outra mudança no comportamento por causa da Covid-19, Fabiana notou que “muitas pessoas, que ficaram em casa durante a quarentena, resolveram diminuir o número de peças nos armários. Criaram novas combinações com as roupas que tinham, sem tanto consumismo. Eu reduzi o número de peças do meu armário. O brechó permite que você pratique uma moda sustentável”, afirma.

Casa 54, organização e tem modelos atuais
Casa 54, organização e tem modelos atuais
Com acervo exclusivamente feminino, no Casa 54, a cliente encontra vestidos, saias, blusas, calças, casacos, lenços e echarpes, bijuterias, sapatos, sandálias, botas, bolsas, cintos. “A cada mudança de estação faço promoções como a de peças de verão. E temos muitas novidades para o outono e o inverno. Temos no acervo, peças de todas as estações. O preço médio das peças aqui no brechó está entre 45-50 reais”, informa.

Fabiana diz que muita gente vende suas roupas por várias razões: “enjoou da peça, o manequim mudou, quer espaço para as novas roupas e acessórios que comprou…” E explica que as peças que seleciona para o brechó, antes de serem colocadas à venda, são higienizadas e estão em perfeitas condições de uso. “E se precisar de um ajuste, a Jucilene, ‘dá conta do recado’ e tudo isso a um preço justo”, avisa. (GA)

Brechó & Costura Casa 54, Rua Marinho Falcão, 54 (metrô Vila Madalena), Telefones 943339-9076 e 95419-2143 (Whats), @brechocasa54, facebook.com/brechocasa54

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA