Panorama da Proteção II

0
1493

Nesta edição de setembro, damos prosseguimento à reprodução do texto abrangente de Maria Augusta Toledo, uma protetora, sobre pessoas, grupos e entidades que trabalham a favor dos animais em São Paulo. Ela não cita todos, pois seria impossível. Mas nos fornece a idéia do trabalho gigantesco (apesar de ainda insuficiente) que há por trás da expressão “proteção animal”.
“Há pessoas que têm o dom de aglutinar os defensores de animais em grupos ou organizações e isto faz com que elas passem a ter voz ativa e consigam se organizar enquanto cidadãos conscientes e atuantes. É o caso dos grupos Libertação Animal, Anjos dos Animais e Projeto Esperança Animal, por exemplo.
Não podemos nos esquecer de mencionar os voluntários que dedicam seus dias de descanso para cuidar e dar um pouco de alegria aos animais que vivem uma vida triste e solitária nos abrigos. Já os grupos vegetarianos e veganos lutam por todas as formas de vida e trabalham para conscientizar a população sobre a importância de parar de consumir produtos que utilizam substâncias animais em suas fórmulas.”
“O Guia Vegano, além disto, também ajuda a doar animais abandonados e conscientizar a população sobre a posse responsável. O grupo Veddas organiza vários protestos e manifestações públicas em defesa dos direitos animais.
O Santuário Rancho dos Gnomos faz um trabalho exemplar cuidando de animais da fauna silvestre, exótica, nativa e doméstica, provenientes do tráfico, de circo, e que foram descartados ou sofreram maus-tratos. Além de abrigo para os animais, eles oferecem um programa de educação ambiental para crianças e jovens de toda a rede de ensino.
Precisamos também citar a mídia que sempre tem dado força ao trabalho dos protetores. No caso do grupo Anjos para Adoção, agradeço especialmente a Luciana Gimenez do Superpop que mensalmente fala sobre nosso trabalho e divulga nossos anjo-latas em cadeia nacional. Jornais e revistas da Granja Viana também dão muito destaque ao trabalho de protetores independentes da região. Outro apoio importante para a causa é dado pela apresentadora Luisa Mell do programa Late Show.
Profissionais especializados em Florais de Bach colocam gratuitamente sua experiência a favor dos animais abandonados. Este é o caso da Deolinda do Gato Verde, de Martha Follain e Sílvio Pillon.
Hoje em dia os protetores votam em candidatos que têm uma proposta para melhorar a vida dos animais: o deputado estadual Feliciano, por exemplo, foi eleito pelo voto dos protetores do estado de São Paulo. Hoje os políticos começam a entender que “os animais também votam”.
Esta corrente do Bem inclui veterinários que castram a preços módicos animais abandonados e da população de baixa renda; inclui advogados que dão conselhos e abrem processos por abandono e maus-tratos. Também fazem parte desta corrente as pessoas que adotam vira-latas, quando poderiam comprar animais de raça e, agindo desta maneira, elas estão ajudando a criar uma nova mentalidade.
Como vemos, são várias frentes, todas elas necessárias, válidas e atuantes.
Nós, amigos dos animais, precisamos aceitar as diferenças dentro de nossa causa, pois elas sempre irão existir e acredito que sejam benéficas para que haja discussão, aprimoramento e conquistas.”
E conclui Maria Augusta: “Posso estar sendo muito otimista, mas nestes dez anos de luta muita coisa mudou e tenho certeza que mudou para melhor”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA