A poesia no divã

0
1022

“Sempre achei que Freud fosse um pensador de peso, ele sempre me fascinou. Na sua obra, ele sempre cita um poeta. Em todas as linhas de raciocínio dele tem um poeta no meio”, começa explicando o poeta Ulisses Tavares, sobre seu mais recente lançamento Quando nem Freud explica, tente a poesia! Ulisses queria saber quem eram esses poetas que fizeram a cabeça de Freud. “Pesquisei em mais de 60 livros dele e ele não cita nomes, só diz que se baseou em poetas e escritores, mas nunca revela a fonte”.
Sabendo disso, Ulisses passou a brincar com a idéia de quais seriam os poetas que fariam a cabeça do Freud se ele fosse escrever a obra dele hoje. Desse modo nasceu Quando nem Freud…
Ulisses pegou os grandes temas da obra de Freud – vida, morte, beleza, sexo, entre outros – e pesquisou durante dois anos quais seriam os poetas que supostamente poderiam ter feito a cabeça dele. “Peguei coisas desde Safo, de 3 mil anos atrás, falando de dinheiro e não de lesbianismo, como todo mundo já publicou, até poetas mais contemporâneos, como Glauco Matoso. Evitei colocar o óbvio, como, por exemplo, Fernando Pessoa, porque já é um poeta suficientemente conhecido”, explica ele. O livro é dividido em verbetes e traz apenas fragmentos de poemas. O livro ficou uma coisa muito fascinante, porque serve um pouquinho como alta ajuda, sim com ‘l’ mesmo, e não auto-ajuda”,diverte-se o autor. “Um livro que auxilia o autoconhecimento sem cair na facilidade da auto-ajuda. Sei disso porque tenho recebido muitos e-mails”, esclarece. A obra, com prefácio do psiquiatra Flávio Gikovate, traz poetas como contemporâneos como Fabrício Carpinejar, Ferreira Gullar, Arnaldo Antunes, entre outros, e históricos como Garcia Lorca, Gregório de Matos, Camões, Florbela Espanca, e muitos mais.
Ulisses é autor de 88 livros, sobre vários assuntos e gêneros distintos, e já vendeu mais de 8 milhões de exemplares. Também é dramaturgo, roteirista de cinema e televisão, mas nunca deixou de ser poeta. Morador da Vila Madalena, ele tem um pensamento maior com o lançamento desse novo livro: “Minha esperança é que as pessoas não só parem para pensar, mas também para descobrir o valor da poesia como auto-conhecimento, porque a poesia precede a filosofia, que por sua vez precede a psicologia”.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA