O Autor na Praça, 20 anos comemorando a diversidade

0
499

Foto: Gerson Azevedo

Gerson Azevedo
Edson Lima é o criador d'O Autor na Praça

Desde 1999 o Projeto O Autor na Praça tem uma programação com lançamento de livros, shows e artes plásticas na Feira de Artes e Antiguidades da Praça Benedito Calixto.

Aos sábados, um programa imperdível na cidade é visitar a Feira de Artes, Antiguidades, Cultura e Lazer da Praça Benedito Calixto desde 1986. A feira é organizada pela Associação dos Amigos da Praça Benedito Calixto (AAPBC) e reúne 320 expositores que colocam à venda posters antigos de cinema, discos de vinil, CDs, aquarelas, serigrafias, fotografias, moedas, talheres, copos de cristal, brinquedos, livros antigos e outros tantos objetos. Alguns artesãos aqui produzem e vendem diretamente ao público peças em madeira, em couro, móveis rústicos, além de roupas, mandalas, esculturas. Há um espaço gastronômico com acarajé, bolinhos portugueses, doces, pastéis, sanduíches e muito mais.

Maria Cecília, presidente da Feira da Praça Benedito Calixto (foto/Gerson Azevedo)
Maria Cecília, presidente da Feira da Praça Benedito Calixto (foto/Gerson Azevedo)
Maria Emilia Ciavaglia é a presidente da AAPBC desde 2017. Ela conta que “nossa feira é a mais organizada da cidade em produtos expostos”. Conta que cada expositor passa por uma curadoria. Esses cuidados, segundo ela, mantêm o nível da feira de uma forma autêntica. Segundo a presidente passam pela feira, um público de 10 mil pessoas a cada sábado. São mais de 2 mil empregos diretos por conta do evento semanal.

O projeto O Autor na Praça surgiu em 1999 e deu à feira um toque musical e literário. A programação fica a cargo do agitador cultural Edson Lima e sua equipe. A lista de escritores, cantores e personalidades que estiveram no espaço é longa. “Foram mais de 700 eventos”, calcula Edson nestas duas décadas. Ele conta que a ideia de se criar um espaço cultural na praça foi do jornalista e escritor Mouzar Benedito, morador da Vila Madalena. “O Mouzar queria lançar um livro na praça e a editora colocou uma mesa, ele trouxe um garrafão de cachaça mineira e chamou os amigos. A partir deste evento literário vieram outros. Além de livros, abrimos espaço para a música e as manifestações culturais das mais diversas como poesia, folclore”. O dono do Consulado Mineiro, “Geraldo Magela deu apoio desde o início”, lembra.

O músico e ator Mario Lago (1911-2002) também faz parte dessa história. Ele morou na praça e quando esteve por aqui deixou uma mensagem que se tornou uma relíquia para a AAPBC e está emoldurada em um quadro na sede da entidade.

A homenagem ao ator, dramaturgo e escritor Plínio Marcos (1935-1999) que dá nome ao espaço foi porque “O Plínio foi um dos primeiros autores que veio ao projeto fazer uma sessão de autógrafos. Pensávamos em fazer outros eventos com ele mas por conta de problemas de saúde ele acabou hospitalizado algumas vezes e acabou morrendo sem ter oportunidade de retornar à praça! E resolvemos prestar uma homenagem a esse escritor importante e combativo”. O painel criado pelo muralista Eduardo Kobra com uma cena da São Paulo de antigamente e a imagem de Plínio Marcos é a marca visual do projeto.

A cantora Fernanda Ouro se apresentou no espaço. Na foto com Edson (foto/Gerson Azevedo)
A cantora Fernanda Ouro se apresentou no espaço. Na foto com Edson (foto/Gerson Azevedo)
Um timaço de escritores e artistas marcou presença por aqui em lançamentos de livros, discos, saraus literários como Ignácio de Loyola Brandão, Frei Betto, Ruy Castro, Plínio Marcos, Audálio Dantas, Celso Unzette, Fernando Bonassi, Letícia Vidor, Nalu Faria, Nabil Bonduki, Marcelo Rubens Paiva, Raquel Rolnik, Regina Echeverria, Paulo Caruso, Ricardo Ramos e muita gente boa de escrita, de desenho e de música estiveram no espaço. No último sábado de abril, aconteceu o show da jovem e talentosa cantora e compositora Fernando Ouro, semifinalista do programa The Voice Kids 2018 que se apresentou com a banda Garimpeiros do Som.

Entre tantos eventos, Edson Lima destaca que a presença do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns (1921-2016) foi a “mais emocionantes entre tantas. Era para ele ficar quinze minutos e acabou ficando mais de uma hora. Foi generoso como sempre”, lembra.

E desde 2016 outra atração que chegou à praça é o projeto Cardápio Musical criado também por Edson e equipe. O espaço é voltado para a música independente e alternativa. Os eventos do Cardápio começam após a apresentação do grupo Choro da Benedito. Entre os cantores e bandas que o projeto já recebeu estão os músicos Guilherme Café e Ariel Coelho, Dinho Nascimento, Claudio Ferreira, Rosane Queiroz, Téo Azevedo, Theo Werneck Blues Trio, Guilliana Nogueira e Os Tigres Tristes, as bandas Devonts, Hillbilly, Monoclub, Os Lokais, Saco de Gatos, Os Forrozeiros, Trio Tabarana e outros mais.

A programação de maio terá o escritor e agora imortal da ABL Ignácio de Loyola Brandão; um tributo a Dom Paulo Evaristo Arns e Dom Pedro Cassaldaglia e o artista plástico José Roberto Aguilar. Para Edson Lima, criador do O Autor na Praça/Espaço Plínio Marcos a “a história do espaço só está começando!” (GA)

www.facebook.com/oautornapraca

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA