Exemplo a ser seguido

0
1197

Foto: Gerson Azevedo

Gerson Azevedo
Dona Chloe na oficina onde ela e as colegas de voluntariado produzem artesanato

Com muita disposição, Dona Clô, moradora da Fradique Coutinho, dá lição de vida.

A paulistana Chloe Siqueira é assistente social de formação, mãe de três filhos, tem nove netos e três bisnetos, mora há quase 20 anos na Vila Madalena. Trabalhou até se aposentar em 2000 em um tribunal, como bibliotecária e assistente social. Aposentada, em vez de ficar parada, Clô, como é conhecida, decidiu servir ao próximo e foi ser voluntária. “Queria ajudar outras pessoas. Ficar em casa fazendo o quê?”, pergunta.

d-clo_volunt_hc-3
Dona Clô com as colegas de voluntariados da Avoch

Idade? Clô prefere não dizer e sempre disposta, só reclama dos buracos e das calçadas mal cuidadas que a forçam caminhar com atenção e cuidado. Seu entusiasmo já mereceu um capítulo no livro “Os Mestres do Tempo”, de Alessandra Garcia Trindade. Como voluntária ela dá aulas de informática para jovens e duas vezes por semana, na parte da manhã, se dedica ao grupo de artesanato na Associação dos Voluntários do Hospital das Clínicas (Avoch).

Clô e suas dezenove colegas voluntárias trabalham criando e confeccionando peças de artesanato que são vendidas em bazares que promovem. Toda renda é revertida para a compra de cadeiras de rodas, roupas e outras necessidades para os pacientes carentes do HC. “Hoje, são 340 voluntárias que atendem aos 12 institutos do complexo do HC”, informa Sonia Maria Gonzalez Moraes, presidente da Avoch.

d-clo_volunt_hc-10
Amostra dos produtos de Natal que serão vendidos no Bazar.

É bem animado o ritmo de trabalho das voluntárias do setor de artesanato da Avoch, que ocupa o térreo do prédio da Administração Central do HC (Rua Ovídio Pires do Campo, 785, tel. 2661-6342). Entre máquinas de costura e mesa de corte, cada uma delas faz aquilo que tem mais aptidão: corte, desenho, costura, bordado. Há um brechó anexo, aberto ao público em geral, que também aceita doação de roupas e objetos, em bom estado de conservação. Lembram que novas voluntárias são bem vindas.

“Somos na verdade, uma família” conta Clô sobre o trabalho na Avoch. Vestidas de rosa, a cor do voluntariado, elas produzem brinquedos para crianças, enxovais para gestantes, peças artesanais – guirlandas, porta-chaves, caminhos de mesa, jogos americanos e outras criações com tema natalino que serão vendidos no que acontece na Rua Capote Valente, 1.367, próximo do metrô Sumaré, nos dias 16, 17 e 18 deste mês, das 9 às 16h, com entrada franca. Merece uma visita e é uma oportunidade de conhecer o que elas produzem.

avoch.org.br, voluntarias.avoch@hcnet.usp.br

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA