A Vila Madalena e o futebol

0
1803

Foto:

Leonardo Malhão, ou Nardo

Leonardo Malhão, ou Nardo, como muitos o conhecem, nasceu e sempre viveu na Vila e o futebol sempre fez parte da vida deste serralheiro.

Jogador mediano, Leonardo diz que “jogava onde precisava e o técnico mandava, mas nunca fui um craque de bola”, afirma o corintiano que defendeu a camisa do Serepi (Sociedade Esportiva Recreativa Pinheirense), time que ainda joga no bairro do Butantã. Além de jogador e ex-diretor da equipe, nosso morador lembra que “a sede do Serepi era no bar do Alfredinho, na esquina das ruas Fidalga com Aspicuelta, onde hoje funciona o bar Quitandinha”.

Um pouco de história… Segundo Antonio Ivo Pezzotti, autor do livro Vila Madalena e suas figuras notáveis, o primeiro time da região foi o Esporte Clube União Operária, que depois passou a se chamar 1º de Maio. Seu rival era o 7 de Setembro, que chegou a campeão da várzea paulistana em jogo no estádio do Pacaembu. O Leão do Morro, da Vila Beatriz, era outro dos times que jogavam na região.

Domingo era o dia de jogo. Os campos “eram de terra”, lembra Leonardo, e ficavam onde hoje funciona o Colégio Estadual Maximiliano e o Fórum de Pinheiros, na rua Jericó. Era aí que o Vasquinho e o 7 de Setembro mandavam seus jogos. Os outros campos ficavam na esquina da rua Natingui, onde fica o conjunto habitacional do BNH, e era a casa do 1º de Maio.

Outro time da região e ainda em atividade é o 100 Querer. Ele surgiu em 1973 e foi formado por moradores da Vila Ida, que jogam aos sábados em campos dos adversários.

Leonardo conta que os jogos eram bem animados e muitas vezes acabavam em brigas com os adversários. “Tinha muita gente boa de bola, que infelizmente não conseguiu se profissionalizar. Um deles era o Dorinho, meia-esquerda bom de bola que jogava no time do Leão do Morro”, diz.

Hoje, o bar Calçadão da Vila, na rua Wisard, é o ponto de encontro de Leonardo e seus amigos, e o futebol é sempre o tema das conversas. Com a Copa do Mundo chegando, ele e a turma vão torcer “é claro, pelo Brasil”, mas sem esquecer do futebol da Vila Madalena.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA