A festa|do clássico

0
642

Foto:

Pedro Costa (D) e Pelé

Conhecido por muitos frequentadores apaixonados por botecos refinados, o Piratininga Bar se prepara com atrações inusitadas para comemorar o aniversário de 20 anos da casa mostrando porque todos os anos ele é apontado pela Revista Veja SP como “o melhor local para ir a dois” ou “melhor música ao vivo”. A receita para o sucesso parece simples num primeiro momento, mas por trás de toda tradição, muita experiência, dedicação e criatividade formam a tríade que dá base para o Piratininga ser tão querido.
Ambientado com uma atmosfera paulistana das décadas de 1930 e 1940, não é exagero dizer que o bar já nasceu tradicional. Fotos e objetos da época, iluminação baixa, mobília característica e mesinhas redondas propiciam um clima de aconchego, ótimo para namorar e dizer segredos de liquidificador para o seu par, enquanto curte a musica ao vivo, que vai do jazz, blues, clássicos do rock e o melhor da MPB.
Quer mais? Sim, tem mais. Para a festa de aniversário que será comemorado no dia 25 de janeiro, o restaurante reserva algumas atrações como uma exposição de carros antigos e uma banda de jazz fará um show na rua. A camiseta-convite dá direito a seis bebidas diferentes, entre elas caipiroska, chope e espumante, e custa 45 reais.
Para quem não sabe, o Piratininga é um projeto de Pedro Costa, poeta remanescente do grupo Sanguinovo que na década de 1970 criava os próprios livros reproduzidos em mimeógrafo, e vendidos de bar em bar. Mais tarde se arriscou na vida dando aulas de redação, rádio e TV, cujas aulas eram dadas nos bares próximos das faculdades. “As aulas viravam verdadeiros saraus e os botecos enchiam”, comenta.
Passada a fase acadêmica, Pedro Costa continuou levando o público para o bar, porém, dessa vez, o boteco era seu. O primeiro foi na Arthur de Azevedo, onde hoje funciona o Andrade. Depois foi para a praia e abriu um trailer-bar, até que um dia se deparou com a casinha centenária da Vila Madalena e ali fundou o Piratininga, fazendo uma justa homenagem ao amor que o empresário tem pela cidade.
Deixar de ir à festa no próximo dia 25 é quase como ficar de fora de tudo de legal que vai rolar em 2012, no bairro mais boêmio da capital. Então, corra lá e reserve a sua camiseta.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA