Calopsitas e outros bichos

0
221

Maiakovski era o nome do nosso primeiro cachorro, antes da gata Rosa de Luxemburgo e do papagaio Lenin.

Nesta época, em plena ditadura militar, os estudantes faziam uma peça de criação coletiva e representada também por nós mesmos no teatro da PUC na Rua Marquês de Paranaguá, quando o então secretário da segurança pública Erasmo Dias invade com a cavalaria o campus da universidade e o teatro durante a apresentação e sobraram pancadas e cacetadas pra todos os lados. Lá fora nos esperavam uma fila imensa de camburões da polícia rumo à delegacia onde fomos indevidamente presos.

Mesmo assim continuávamos presentes em todas as passeatas e atos públicos, fosse levando saquinhos de bolinha de gude quando chegava à cavalaria, soltando gatos de rua das caixas de papelão sobre os cachorros alemães da infantaria ou empunhando megafones contra o autoritarismo daqueles anos tristes da nossa história. E ainda existe quem os queiram de volta.
Ainda em pleno regime militar, fundamos o grupo de poetas Sanguinovo e fizemos a Primeira Passeata Poética pelas ruas de Sampa contra a ditadura. No trajeto colávamos o lambe-lambe “Os Poemas do Poste”. Novamente fomos recebidos pela Polícia Militar, desta vez comandada pelo secretário Romeu Tuma.

Apaixonado ainda pelas ideias marxistas nasce meu primeiro filho Pablo, que agora em julho faz 38 anos, cujo nome é uma homenagem ao grande poeta comunista Neruda.

Muitas águas rolaram, muitos bichos passaram, alguns amigos partiram aficionados pelo cara que inventou o tal de nós e eles, e como já disse Mário Quintana: “Todos esses que aí estão atravancando o caminho. Eles passarão… eu passarinho”.

Hoje, ainda de esquerda, porém nem coxinha, ou mortadela, como se ofendem por aí. Gosto mesmo do Bakunin e da Malatesta duas lindas calopsitas que encantam e cantam livres e soltas abrindo as manhãs em minha varanda.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA